Índice

Para mais conteúdos como este, cadastre-se para receber nossa newsletter.

Quero receber

Compartilhe

Vamos imaginar o seguinte: dentro do dia a dia de uma empresa, surgem várias demandas de projetos, dos mais simples até os de grande nível de complexidade. Enquanto as tarefas fáceis são resolvidas rapidamente, as mais complexas exigem tempo, conversas, validações e alinhamento.

É aí que entra o tão falado Design Sprint! Uma modalidade tradicionalmente aplicada no desenvolvimento de softwares, hoje já é utilizada por empresas de diversos segmentos. Dentro do universo ágil, existem vários formatos para serem usados na rotina das equipes, ajudando empresas a desenharem soluções assertivas em um curto espaço de tempo. Siga a leitura com a gente!

O que é Design Sprint?

Criado pelo Google, o Design Sprint é uma metodologia ágil para desenvolver uma hipótese, prototipar uma ideia, testar e validar em apenas cinco dias.

O objetivo de usar o Design Sprint é trazer cada vez mais agilidade para o ambiente corporativo. Assim, quanto mais rápido a equipe consegue definir se um insight é bom, ruim ou precisa de ajustes para virar um projeto, menos tempo e menos dinheiro são gastos.

Apesar das nomenclaturas parecerem complexas, trata-se de um conceito bem simples e fácil de ser implementado nos times. Com o passar dos anos, os métodos ágeis se mostraram extremamente eficientes e versáteis, alcançando diversos tipos de empresas no dia a dia, contribuindo para a realização dos projetos simples, até os mais complexos.

Para entender mais a fundo sobre o método ágil, vamos voltar no tempo! Se engana quem pensa que a agilidade é um assunto novo, criado há poucos anos. Na verdade, o processo já existia desde a década de 70, em inovadoras empresas japonesas como a Toyota e a Honda. No entanto, a metodologia se tornou popular no ano de 2001, quando um grupo de líderes da área de tecnologia se reuniu em Utah (EUA) e a definiu. O evento resultou no chamado Manifesto Ágil, um documento muito importante e atemporal que se tornou o lema para as indústrias de software. Nele, constam os seguintes princípios:

– Software em funcionamento, mais do que documentação abrangente;

– Indivíduos e interação entre eles, mais do que processos e ferramentas;

– Colaboração com o cliente, mais do que negociação de contratos;

– Responder às mudanças, mais do que seguir um plano.

Analisando os tópicos de forma geral, o Manifesto Ágil reconhece que os processos, as ferramentas, a documentação, os contratos e planos podem ser importantes para qualquer projeto, desde que estejam alinhados com seus valores ágeis. Esse modelo de pensamento não desvaloriza um plano, muito pelo contrário! Trata-se de estar pronto para qualquer mudança, assim como um velejador experiente é capaz de mudar a posição das velas para seguir ao destino final, evitando ser desviado de seus objetivos.

Lembre-se: os clientes pagam por resultado e não por um plano bem elaborado que nunca vai sair do papel.

Como o Design Sprint funciona na prática

Vamos imaginar que um novo produto está prestes a ser lançado. Para que ele tenha sucesso, é necessário uma série de validação de ideias por meio de prototipagem e testes com os consumidores e equipes envolvidas.

A metodologia tradicional do Design Sprint é dividida em cinco etapas, em que cada uma delas é realizada dentro de um dia, permitindo mapear falhas e fazer melhorias durante o desenvolvimento da solução. É uma técnica dinâmica e disruptiva que estimula a inovação e colaboração nas empresas e no processo criativo. Acompanhe com a gente!

Imagem retirada do livro “Sprint: o método usado no Google para testar e aplicar novas ideias em apenas cinco dias”, por Jake Knapp

Segunda-feira: mapear

No primeiro dia, os participantes do projeto devem mapear e definir qual é o problema e os desafios atrelados ao objetivo que se quer atingir e o alvo a ser trabalhado. É importante ficar claro qual é o problema, fazendo as perguntas certas.

Terça-feira: esboçar

No segundo dia, depois de compreender qual é o problema, chegou a hora de discutir soluções, sem julgamentos! Essa é uma oportunidade para explorar ao máximo todas as ideias e possibilidades com os participantes. O objetivo é esboçar soluções, sem se preocupar se serão viáveis ou não.

Quarta-feira: votar

É dia de votação! Neste momento, a equipe decide quais ideias serão desenvolvidas e transformadas em hipóteses testáveis.

Quinta-feira: prototipar

No quarto dia de Design Sprint, a missão é construir um protótipo realista da ideia selecionada e se preparar para os testes e validação, o que inclui um roteiro de abordagem com usuários.

Sexta-feira: testar

No último dia de Design Sprint, através de entrevistas individuais, é hora de validar o projeto ou solução, apresentando o protótipo aos potenciais usuários previamente recrutados. Assim, o time pode coletar um feedback em tempo real e identificar eventuais refinamentos.

Por que usar o Design Sprint na sua empresa?

Por conta da sua grande capacidade de otimizar processos, a metodologia ágil tem se tornado a queridinha das empresas dos mais diversos segmentos. Através desta dinâmica, é possível validar hipóteses, testar novos produtos e serviços, além de coletar informações preciosas dos consumidores para identificar o próximo passo de uma marca. Sem contar que é uma excelente ferramenta para otimizar o seu tempo e dinheiro, potencializando a produtividade da equipe.

Muitas empresas hesitam em mudar a forma de oferecer seus produtos e serviços. O Design Sprint é uma excelente prática para aprender ainda mais sobre o segmento e arriscar novas oportunidades, com pouco investimento.

A Attri oferece um serviço personalizado de aplicação das metodologias ágeis no seu negócio. Nosso time de especialistas desenvolve um workshop especialmente para os seus colaboradores criarem uma solução viável e validada, em apenas cinco dias, passando por todas as etapas do Design Sprint. Fale com a gente e descubra mais!

 

Fale com um especialista

Compartilhe

Quem escreveu este conteúdo:

Daniela Barbosa

Oi! Sou a Dani Barbosa, redatora, formada em Publicidade e Propaganda e cursando pós em Gestão Estratégica de UX Design. Ao invés de ser tagarela, uso o teclado para trocar ideias! Fique à vontade por aqui, tem muito artigo legal pra ser lido.

Inscreva-se em nosso blog

Acesse, em primeira mão, nossos principais posts diretamente em seu email