Índice

Para mais conteúdos como este, cadastre-se para receber nossa newsletter.

Quero receber

Compartilhe

Você já se perguntou por que alguns sites e aplicativos são mais usados do que outros? A resposta pode estar em um dos conceitos de UX structuring, a Arquitetura de Informações. Somos bombardeados a todo o tempo por novas fontes de informação e interação no mundo digital, mas alguns sites e apps acabam caindo mais no gosto do público.

 

O que os usuários talvez não saibam, é que como parte da estrutura desses aplicativos de sucesso, existe uma equipe de profissionais responsável por estruturar as informações para ser oferecida a melhor experiência do usuário. Esse time de arquitetura, formado por designers, produtores de conteúdo, analistas de UX e de SEO, desenvolvedores e outros, organizam a estrutura de informações e ações que o usuário realizará para criar um ambiente digital amigável, útil e intuitivo.

 

Devido à importância do assunto, nossa equipe separou seis dicas para aplicar a arquitetura de informações no UX design em seu site ou aplicativo. Mas, primeiro, vamos entender melhor o que é essa organização?

 

O que é a arquitetura de informações?

A arquitetura de informações é considerada um dos fundamentos de um design de UX e UI bem feito. Ela é um conjunto de práticas e técnicas que ajudam a decidir como organizar as informações para tornar o conteúdo mais compreensível. 

 

No contexto digital, é de extrema importância garantir que o usuário encontre o que ele procura, com o mínimo de esforço e ruído possíveis na interação com o site, aplicativo ou software utilizado. As informações precisam estar em uma estrutura de fácil compreensão, dentro de uma lógica que leve em consideração todas as possibilidades de interação. 

 

Dentro do UX Design, o time de arquitetura tem a missão de organizar o conteúdo na estrutura de forma a facilitar a interação com as funcionalidades oferecidas pelo produto. Além disso, a arquitetura bem feita reduz as possibilidades de problemas com usabilidade e navegação, sendo um ponto-chave no UX Design. Afinal, uma boa experiência do usuário também deve oferecer elementos na interface que descompliquem a navegação. 

 

Vale reforçar um outro ponto: a arquitetura de informações previne prejuízos com usuários insatisfeitos com o seu produto digital e que provavelmente migrariam para produtos concorrentes ou associariam a sua marca a uma péssima experiência ao se sentirem confusos e incapazes de navegar na página.

 

Para resumir, utilizando o conceito de ecologia da informação, do livro “Information Architecture for the World Wide Web”, podemos dizer que a arquitetura é a relação entre conteúdo, desenvolvido com foco nos usuários e no contexto no qual sua marca está inserida. 

 

Arquitetura de Informações versus UX Design

É comum que esses dois conceitos sejam confundidos como os mesmos. Porém, eles se complementam. A arquitetura é um modelo, gerado em wireframes ou sitemaps, servindo posteriormente como base na criação das interfaces e dos sistemas de navegação.

 

Na realidade, um depende do outro: o conteúdo digital precisa estar bem organizado, com uma boa navegabilidade, mas também precisa agregar algo ao usuário de uma forma mais profunda e marcante. Mas esse vínculo emocional da experiência só acontece se ele conseguir navegar pelo site com facilidade. A arquitetura da informação prioriza o aspecto técnico, garantindo a funcionalidade da plataforma em si, já o UX Design prioriza a experiência do usuário ao acessar um site, nos aspectos de navegação e visuais.

 

A arquitetura fornece os recursos necessários para estruturar a informação de modo que o sistema seja compreensível e fácil de usar, e o UX design cria um modelo de interação agradável para a audiência, levando em consideração esses recursos.

 

Agora que conhecemos os conceitos da arquitetura de informações e a sua relação com o UX design, vamos às dicas para a aplicação. 

 

Dica 1 | Mantenha os objetivos do produto em mente

Um dos principais estágios de um projeto é a definição de seus objetivos. São eles que irão guiar todas as etapas posteriores, inclusive o time de arquitetura da informação e os UX designers. Portanto, antes de começar a construir a estrutura de informações do seu site, por exemplo, você precisa entender o que o cliente espera do seu produto para só então criar os objetivos do mesmo. Quando isso estiver definido, os designers conseguem chegar a um consenso dos elementos e suas finalidades corretos para evitar mal entendidos.

 

Dica 2 | Realize pesquisas de usuário 

Parte importante do processo de arquitetura de informações é conhecer o seu público-alvo, já que todo o objetivo da técnica é colocar a satisfação do usuário como prioridade. Para entender esses consumidores, designers podem realizar pesquisas de usuário. Nelas, são coletadas informações sobre o público através de diversas técnicas, e analisadas pelos designers para que criem soluções que tornem o produto amigável e atrativo. Com os dados das pesquisas é possível ir além no entendimento desses usuários, conhecendo suas peculiaridades psicológicas e emocionais que podem ser o diferencial para atrair consumidores. 

 

Dica 3 | Considere princípios da psicologia cognitiva

 

Essa é a ciência que estuda o processamento de informações que acontece dentro da cabeça das pessoas. Com ela, é possível compreender como se dá a percepção visual para diferentes pessoas e quais são os fatores afetando a atenção dos usuários. Por existirem várias maneiras de se perceber e processar dados na mente humana, também se desenvolveram diversas técnicas e princípios da psicologia cognitiva que podem ser aplicados na arquitetura de informações. 

 

Alguns deles são as reações viscerais, a psicologia das cores, o reconhecimento de padrões e os princípios da Gestalt. No caso do reconhecimento de padrões e Gestalt, por exemplo, os desenvolvedores podem ter uma ideia mais precisa de como organizar a estrutura de informações levando em consideração que as pessoas tendem a unificar os elementos visuais em grupos de acordo com sua similaridade, continuação e encerramento. Na prática, usuários visitando um site ou usando um app esperam ver certas funcionalidades associadas com o tipo de produto.

 

Dica 4 | Planeje o sistema de navegação 

Navegação é o conjunto de ações e técnicas que guiam os usuários ao longo da interface de um site ou aplicativo, permitindo que eles atinjam objetivos e interajam com sucesso com o produto ou serviço. Basicamente, consiste na forma como os usuários percorrem o conteúdo de uma interface. Uma dica é planejar esses caminhos dos usuários em conjunto com a definição da arquitetura de informações, para que o produto final seja coeso e sólido. 

 

Dica 5 | Utilize a hierarquia visual 

O principal objetivo da hierarquia é apresentar o conteúdo da página de um site ou tela de um app, por exemplo, de uma maneira que os usuários entendam o nível de importância de cada elemento. Isso ativa a habilidade do cérebro de distinguir objetos com base em suas diferenças físicas, como tamanho, cores, contrastes, alinhamento, entre outros. 

 

Muitos estudos mostram que antes de ler efetivamente uma página na internet, as pessoas fazem uma varredura nela para captar um senso de interesse. De acordo com diversas publicações, inclusive do Nielsen Norman Group, pioneiro nesse campo, existem diversos padrões de escaneamento para páginas de internet, entre eles o F e o Z, indicando as direções em que as pessoas visualizam essas informações. Sabendo disso, designers podem criar uma arquitetura da informação efetiva colocando componentes chave nesses locais de escaneamento mais populares, induzindo os usuários a tomarem certas decisões e ações na página. 

 

Dica 6 | Consiga feedbacks e faça pequenas mudanças 

Feedback vindo dos usuários é um dos ativos mais valiosos que seu time de arquitetura poderá ter. É com ele que você identifica necessidades e expectativas não atingidas para realizar as melhorias em seu projeto. Quando estiver com esses dados, realize as mudanças necessárias na estrutura do seu site ou app em pequenas partes, pois se você alterar de uma só vez, será mais difícil medir os impactos individuais de cada mudança na experiência do usuário.  

 

São muitas as técnicas de arquitetura da informação e UX design para aplicar. Por isso, você pode contar com a Attri para desenvolver o seu site ou app, com entregas que oferecem a melhor experiência ao usuário. Fale com nossos especialistas.

Fale com um especialista

Compartilhe

Quem escreveu este conteúdo:

Pedro Hermano

Pedro Hermano, bacharel em Publicidade e Propaganda pela (ESPM), especializado em Branding e Planejamento Estratégico de Marcas na McGill University, no Canadá e em Marketing Digital em Harvard. Pós-graduado em Gestão de Negócios pela Fundação Dom Cabral (FDC) e atualmente é sócio-fundador e diretor de criação da Attri. Em 2018, foi eleito Profissional Digital do Ano pela ABRADi-SP.

Inscreva-se em nosso blog

Acesse, em primeira mão, nossos principais posts diretamente em seu email