Índice

Para mais conteúdos como este, cadastre-se para receber nossa newsletter.

Quero receber

Compartilhe

 

Quando falamos em uma abordagem centrada nas pessoas, não nos limitamos em definir os próximos passos do projeto nos baseando apenas na opinião de um único cliente, ou designer, gestor, etc. O risco de errar é muito grande. É por isso que o campo de UX Research foi desenvolvido.

Quer saber mais sobre a área de pesquisa e entender como ela pode ajudar a entender o seu usuário? Então continue a leitura com a gente!

Desvendando o UX Research

Segundo a Interaction Design Foundation, define-se como UX Research:

 

“ … é a investigação sistemática dos usuários e seus requisitos, a fim de adicionar contexto e insights sobre o processo de projetar a experiência do usuário. A pesquisa de UX emprega uma variedade de técnicas, ferramentas e metodologias para chegar a conclusões, determinar fatos e descobrir problemas.” 

Podemos dizer que a área de UX Research visa coletar informações dos usuários através de métodos qualitativos e quantitativos. Entre eles, entrevistas, Teste A/B, eye tracking, pesquisas de mercado, desenvolvimento das personas e testes de usabilidade.

 

Legal! Mas quem conduz as pesquisas?

A frente de UX, em geral, ainda é novidade dentro do mundo corporativo. Portanto, a responsabilidade de aplicar pesquisas e entrevistas é dividida entre os designers. Com o crescimento da área e o reconhecimento da sua importância para os produtos e serviços digitais, hoje já é possível identificar diferentes cargos dentro do setor de UX, com diferentes responsabilidades atribuídas para cada profissional.

Normalmente, o responsável pela área é o UX Research. Mais que aplicar pesquisas, essa disciplina exige o entendimento de um problema (ou vários!) focado nas pessoas. Suas principais características são a curiosidade e a capacidade de imersão em diferentes contextos, desenvolvendo a habilidade “calçar o sapato do usuário” para entender as dores através dos olhos do entrevistado.

Técnicas e recursos para enxergar além

É claro que desenvolver a sensibilidade e a capacidade de sentir as dores do usuário é uma tarefa difícil. Afinal, somos todos condicionados a avaliar uma situação baseada nas nossas referências pessoais.

 

No entanto, existem diversas técnicas e metodologias que ajudam a enxergar além. Confira alguma delas:

Teste A/B

Trata-se da criação de duas versões de design diferentes de um mesmo produto. A partir daí, é medido qual das duas apresenta os melhores resultados. Uma excelente saída para medir os botões e CTAs (call to action), as imagens mais atrativas ou até mesmo o formulário que converte mais inscritos.

 

Eye Tracking

Metodologia que permite ao pesquisador acompanhar o olhar do usuário sobre uma interface ou objeto. O registro é feito através de um dispositivo que mapeia os movimentos dos olhos – acoplado à cabeça do usuário ou na tela. Uma grande ferramenta para validar interfaces e como o usuário absorve a sequência das informações na tela.

 

Pesquisas qualitativas e quantitativas

Os dados quantitativos identificam números e dados mensuráveis, como quantidade de cliques, porcentagem de usuários, etc. Já a qualitativa tem o papel de compreender a atitude do usuário em determinada situação e quais os motivos que o levaram a executar tal ação.

 

Grupos Focais

É uma reunião composta pelos usuários ou público-alvo, conduzida pelo UX Research. O objetivo é discutir sobre o produto, realizar exercícios e oferecer um feedback no momento de uso.

 

Como entender meu usuário?

Pensando na realidade da maioria das empresas que ainda não possuem um time de UX e nem mesmo um responsável por aplicar metodologias de pesquisa, fica a pergunta: como você mesmo poderia iniciar essa frente e passar a entender melhor o usuário? Aqui vão algumas dicas!

  1. Converse com o usuário ou cliente: um simples bate-papo pode ser uma verdadeira aula para você enxergar novos pontos de vista.
  2. Tenha compaixão e empatia: como falamos lá no início, pratique o exercício de “calçar o sapato dele!”. Tenha a sensibilidade de enxergar o ponto de vista do usuário, sentindo as suas dores.
  3. Crie um canal direto de comunicação com o usuário: quanto mais humanizado, melhor! Deixe esse diálogo sempre aberto. Com certeza será um grande aprendizado.
  4. Faça um levantamento das personas: entenda quais são os seus tipos de clientes e as necessidades de cada um deles. Tudo ficará mais claro após esse estudo!

 

Tenha um serviço completo de UX

Imagina usufruir de todos os recursos da área de UX, com um time completo e experiente? Certamente o sonho de muitas empresas! Mas saiba que tudo isso é possível, optando pela terceirização da área.

A Attri é focada em criar estratégias digitais e projetos de UX. Através de estudos, pesquisa e um design inteligente, oferecemos a melhor experiência ao usuário. Fazemos um trabalho aprofundado, entendendo as dores e identificando as oportunidades de inovação da marca através de um produto eficiente, encantador e com uma excelente experiência.

Fale com um especialista

Compartilhe

Quem escreveu este conteúdo:

Daniela Barbosa

Oi! Sou a Dani Barbosa, redatora, formada em Publicidade e Propaganda e cursando pós em Gestão Estratégica de UX Design. Ao invés de ser tagarela, uso o teclado para trocar ideias! Fique à vontade por aqui, tem muito artigo legal pra ser lido.

Inscreva-se em nosso blog

Acesse, em primeira mão, nossos principais posts diretamente em seu email